28.6.15

A menina da saia de chita precisa de novo segurar as mãos de Pipa pra não cair do cavalo da fantasia. A menina tinha se esquecido que dentro dela, adormecidos, estão os monstros do passado, que a fazem querer partir, mais do que chegar. Ela não quer olhar para trás. Mas ela também tem medo do que vem pela frente.

Espada em punho, reza ao anjo da guarda para que proteja a menina que mora nela. A menina que não quer perder seu lado divino no meio de tanta sujeira imunda. O seu lado inocente, agraciado, bendito. A menina quer outra vez um quarto rosa, onde ela possa estar só com seus brinquedos e seus sonhos. A menina quer outra vez uma mão segura amparando a mão dela. 

'Enterra o passado de vez, menina. Esquece e vai dormir'.